Monday, August 16, 2010

The railway that almost existed / A linha que quase existiu


This work is imaginary as usual, but was based on real facts about something that... did not exist. Confusing?
Let us clear: I intended to give a vague idea of how a railway whose construction has begun but never completed in last century 30's would look: Part of a much broader railway plan, the Vale do Lima line would connect Viana do Castelo with Ponte de Lima; It would be an electrified line, ahead of its time, a sort of "light rail" of that era...
Although apparently a single rail was never laid in the built infrastructure, the rolling stock for this line actually existed, built by the German firm Wumag Maschinenbau, and was delivered although never used, being ultimately sold to Spain where it circulated until the end of the 80's in the Valencia suburban network, being locally known as "Los Portugueses”.
For this painting, and unlike the usual, I had to look for some photo resources for the train itself to seem minimally plausible. Apart from this, all the remaining scene is imagined with all the risks involved, so I hope that the end result may never be taken too seriously ...
The observant traveler who travels the road between Ponte de Lima and Viana, by the north bank of the river - a journey otherwise recommended by its beauty – may still find parts of the trackbed and some other works, the last remainings of the "railway that almost existed". But even if it really existed, and due to the disastrous transport policies pursued by successive governments over the past decades, I've been wondering if it would be just that we would find anyway...
Este trabalho é, como sempre, imaginário, mas foi baseado em factos reais sobre algo que... não existiu. Confuso?
Esclareçamos: Pretendi dar uma vaga ideia de como poderia ter sido o aspecto de certa linha ferroviária cuja construção foi iniciada mas nunca se completou, nos anos 30 do século passado: A linha do Vale do Lima que, no âmbito de um plano bem mais vasto, ligaria Viana do Castelo com Ponte de Lima; Uma linha electrificada, avançada para o seu tempo, espécie de “metro de superfície” da época...
Apesar de aparentemente nunca ter sido assente um único carril na infraestrutura que se construiu, os comboios destinados a esta linha chegaram mesmo a existir, fabricados pela firma Alemã Wumag Maschinenbau, e foram entregues para nunca serem usados, acabando vendidos a Espanha onde circularam até ao final dos anos 80 nas linhas suburbanas de Valencia, cidade na qual eram conhecidos como “Los Portugueses”.
Assim, neste trabalho e ao contrário do que é costume, tive que deitar mão a alguns recursos fotográficos para que o comboio propriamente dito parecesse minimamente plausível. À parte esse expediente, toda a restante cena é imaginada com todos os riscos que daí decorrem pelo que, assim espero, o resultado final nunca deverá ser levado demasiado a sério...
O viajante atento que percorrer a estrada entre Viana e Ponte de Lima pela margem norte do rio - um percurso que de resto se recomenda pela sua beleza - encontrará ainda hoje partes do leito da via e algumas obras de arte, derradeiros vestígios da “linha que quase existiu”. Mas se tivesse mesmo existido, e dada a desastrosa política de transportes levada a cabo por sucessivos governos ao longo das últimas décadas, já me tenho perguntado se não seria apenas isso que de qualquer modo encontraríamos...
Fabriano Artistico cold pressed 7"x 5" - 140lb (18x12,5cm - 300g/m2) paper

Uma actualização / An update
Recebi recentemente um mail de Leonardo B., um membro da Fundació Ferrocaib de Maiorca, onde presentemente se recuperam dois destes veículos, sendo que um deles se apresentará com as cores de fábrica originais, conforme foram entregues no seu tempo em Viana do Castelo.
Teve a amabilidade de me elucidar quanto a alguns aspectos da minha aguarela que não estão em conformidade com o aspecto original destes veículos, que passo a descrever:
- A frente era simétrica, com a janela central mais larga, e não tinha a porta de intercomunicação conforme se vê na aguarela: Esta foi acrescentada posteriormente em Valência. Por esta razão, possuíam um único farol central, debaixo da janela mais larga, em vez dos dois laterais.
-Originalmente possuíam dois pantógrafos no tejadilho para a captação da energia eléctrica e não os dispositivos apresentados, designados como liras de contacto. Estas foram também um acréscimo Valenciano. Eu fui levado a pensar o oposto devido a um preconceito meu, já que achava que estas últimas tinham um aspecto mais “antigo”...
Agradeço ao amigo Leonardo as informações e rectificações, e aproveito para enviar os meus entusiásticos parabéns à Fundação Ferrocaib pelo seu precioso e excelente trabalho na recuperação destas e de outras peças do património ferroviário Ibérico.
I recently received an email from Leonardo B., a member of the Fundació Ferrocaib of Majorca, where two of these vehicles are presently being restored, one of which will be presented with the original factory livery, just like when delivered at that time in Viana do Castelo.
He kindly elucidated me about some aspects on my painting that are not in accordance with the original aspect of these vehicles, as I shall describe:
- The front was symmetrical, with a wider central window, and had no door intercom as shown in the watercolor: This one was added later in Valencia. For this reason, there was a single central headlight, under the central wider window, instead of the two each side.
- Originally there were two pantographs on the roof to capture the electricity and not those devices known as bow collectors. These were also a Valencian addition. I was led to think the opposite due to a prejudice of mine, as I thought that the latter had a more "ancient" look...
I have to thank Leonardo for the information and corrections, and to send my enthusiastic congratulations to Fundació Ferrocaib for the priceless and excellent work in recovering these and other vehicles of the Iberian railway heritage.

6 comments:

Anonymous said...

Gostei da ideia de pintar uma "ferrovia que nunca existiu, mas que se existisse..."! Parabéns pela originalidade da ideia e pelo esforço de pequisa, o resultado é perfeitamente convincente.

Eduardo L

Paulo J. Mendes said...

Foi mais uma "brincadeira" do que outra coisa... Para variar um pouco, sem sair completamente, da temática habitual :))

Villager said...

Viajar de comboio deixa-me muitas saudades. Especialmente a Linha da Beira Alta.
Muito bela cena, luz, e "perspectiva aérea". Boa semana.

Paulo J. Mendes said...

Obrigado, Villager. Também já não tenho esse prazer há uns tempos... E tenho que confessar o imperdoável pecado de nunca o ter feito na linha da Beira Alta.
Um abraço!

Luís Bonito said...

Muito bom trabalho, não só o artístico com também a parte "documental" :-)
Abraço

Paulo J. Mendes said...

Neste género de trabalho fica sempre a pairar alguma dúvida, mas que passei um bom bocado isso passei :)))