Thursday, May 27, 2010

A rural house / Uma casa rural


Nothing fascinates me more than these simple and crude houses, which can be found in many villages, but now with fewer people living on them. The way they blend with the landscape that surrounds them, makes them seem almost to be born spontaneously as any pine between rocks, although in reality they are are the result of a mixture of what the earth provides - wood, shale, granite, lime among others - and what people adds to it - ancient wisdom, intuition, ingenuity, practicality, aesthetics, and respect for resources.
Of course these days require different standards of comfort for those times when they were erected. Meeting them without destroying this legacy, and retaining much of the qualities mentioned above, seems to me a challenge a lot easier than it was for our ancestors to raise the walls...
Nada me fascina mais do que estas casas simples e toscas, que se vão podendo encontrar em muitas aldeias, embora cada vez menos com gente a viver lá dentro. Pela forma como se harmonizam com a paisagem que as rodeia, quase parecem ter nascido espontaneamente como qualquer pinheiro bravo entre rochas, embora na realidade sejam o resultado de uma mistura do que a terra dá – a madeira, o xisto, o granito, a cal entre outros – e do que se lhe acrescenta – sabedoria ancestral, intuição, engenho, sentido prático e estético, e respeito pelos recursos.
Claro que os dias de hoje exigem padrões de conforto diferentes daqueles dos tempos em que foram erguidas. Atingi-los sem destruir este legado, e conservando boa parte das qualidades atrás mencionadas, parece-me um desafio bem mais fácil do que foi para os nossos antepassados o levantar das paredes...
Fabriano Artistico rough 7"x 5" - 140lb (18x12,5cm - 300g/m2) paper
Available: Click here / Disponível: Clique aqui

11 comments:

AK said...

You are preserving heritage. Brilliant as usual.

Paulo J. Mendes said...

Thank you. Most of this heritage is now in an urgent need of preservation.

Anonymous said...

Do you know what amazes me about your work, Paulo (in addition to salvaging the evidence of indigenous architecture in extraordinary detail, of course...)?

Your sunlight! The way the rays pour over the land, rocks, homes, and people is INCREDIBLE. Not a crack in the cobblestone is missed, whether in shade or sun.

I love, love, LOVE your paintings. I love your perspective. And I share your fascination with our world. :)

Rafael Carvalho said...

Gostei da imagem. Gostei do texto.
A nossa desgraça está precisamente no facto da quase totalidade das pessoas (clientes, arquitectos, engenheiros,...) julgarem impossível conciliar a tradição com a modernidade...
Cumprimentos.

Paulo J. Mendes said...

I love sunny days. Actually I love rainy days too, but the sunny ones are much more pleasant to paint. Old stones, battered by time and weather, are also one of the most interesting subjects, and the houses they build together are a true fascination: Lucky me for being close to them :))

Anonymous said...

You're lucky indeed, and though I've not been to Portugal, I feel as though I've got a glimpse of your country in its vintage glory, each time I look at your paintings. I'm awaiting mine, and I am so excited. :)
(J.)

PS: I find rainy days peaceful too, though I prefer them on occasion. :)

Paulo J. Mendes said...

Rafael, esse esforço de conciliação ainda levará algumas décadas até que se atinja um desejável equilíbrio, e se perceba o quanto se pode aprender com os ensinamentos do passado, o que é de resto extensível a tantas outras coisas da vida...
Um abraço!

(As minhas desculpas pela resposta tardia e misturada com outros comentários, mas a respectiva ferramenta do Blogger parece cada vez mais disfuncional!)

Villager said...

Posso sempre contar com este canto da internet que irradia beleza Portuguesa tanto em aguarelas como desenhos a lápis. Um grande factor na minha controlada tensão arterial.
Um bom fim de semana.

Paulo J. Mendes said...

Ora aqui está mais uma prova de que pintar e desenhar é benéfico para a saúde :))
Um abraço e bom fim-de-semana!!

Luís Bonito said...

Ainda bem que as casas de granito o fascinam, pois assim podemos também ficar fascinados com a forma magistral como o Paulo as pinta.
Abraço

Paulo J. Mendes said...

Só não tenho feito mais porque ultimamente me têm faltado as "vitaminas" essenciais: As indispensáveis e inspiradoras observações no local.