Tuesday, December 9, 2008

Roadside village / Aldeia à beira da estrada


...And we're back to the beautiful Minho landscapes... An imaginary Minho, I must say, made of memories and impressions. But I'm sure that I must have passed by some peaceful place like this, since there is no lack of roads in which these villages appear by their side, their slow paced life unnoticed by those who pass there in a rush.
...E cá voltamos às belas paisagens do Minho... Um Minho imaginário é certo, feito de memórias e impressões. Mas estou certo que já terei passado por algum pacífico lugar parecido com este, pois não faltam por lá estradas onde se nos deparam estas aldeias onde a vida corre devagar sem que nisso repare quem por lá passa depressa.
Fabriano cold-pressed 7"x5" - 90lb (18x12,5cm - 200g/m2) paper
Available: Click here / Disponível: Clique aqui

6 comments:

Rob Carey said...

These are all very nice and unique from each other. Have you ever thought to put them together to make a calendar? I think people would really enjoy that.

Paulo J. Mendes said...

I really like your suggestion, Rob, and I may consider that in the future. I'm still not familiar with the resources to make such a calendar, so I wonder if you can give me a hint on that subject. I presume it's getting tight for 2009, but that's definitely an idea for 2010!

Villager said...

A riqueza destas cenas transcende a admirável técnica de aguarela usada para as criar. Revelam um extraordinário talento para agrupar elementos diversos que contam uma história que talvez seja diferente para diferentes observadores. Por exemplo, aqui eu vejo o “Azeiteiro”, o vendedor ambulante, e as mulheres apressadas para fazer as compras enquanto os velhotes e o cachorro observam a azáfama. Tudo isto com um último plano tipicamente Português. É consistente a alta qualidade aqui.

Paulo J. Mendes said...

Efectivamente o vendedor ambulante, que continua a percorrer muitas destas localidades isoladas mas também outras bem perto das grandes cidades, foi o "ponto de partida" para este trabalho, e esteve quase para dar-lhe o nome, mas depois achei que havia, como acertadamente mencionou, bastante mais elementos.
Gostei muito de pintar esta cena não podia ficar mais contente pelas suas observações.
Um abraço!

Maria Lua said...

Esta é magnífica!
As sombras, as nuvens... estás realmente um verdadeiro artista. E acho que um dos comentadores tem razão: um calendário (dá um pouco mais de trabalho e terá de estar concluido uns meses antes de o ano terminar para entrar no circuito), postais (normalmente utiliza-se um tipo de papel específico para pintar directamente neles, ou então impressos) ou caderninhos (daqueles típicos portugueses) em que pintes a capa, por exemplo. Claro, tudo numerado e assinado como manda a lei e os direito de autor.
Já estás no bom caminho!
:-)

Paulo J. Mendes said...

Estou a pensar nisso para o ano, aproveitando os trabalhos de que goste mais.
Tenho andado a investigar aqui pela rede, e o que não falta são recursos para rentabilizar o trabalho. Quase que basta escolher...
A pouco e pouco, o caminho faz-se.