Thursday, March 26, 2009

A mill in the heart of a village / Moinho no coração de uma aldeia


Few things are more charming than the older rustic water mills, from which hundreds still exist, although mostly abandoned, but finding one of them at the heart of a remote mountain village during a stroll by its irregular streets, it's like the sublime junction of two pleasures.
Poucas coisas são mais encantadoras do que os velhos e rudimentares moinhos de água, de que ainda existem centenas de exemplares embora na sua grande maioria abandonados, mas encontrar um no coração de uma remota aldeia de montanha durante um passeio pelas suas ruas irregulares, é como que a sublime junção de dois prazeres.
Fabriano cold-pressed 7"x 5" - 140lb (18x12,5cm - 300g/m2) paper
Available in my Etsy shop / Disponível na minha loja Etsy

6 comments:

Sheila said...

Oh Paulo, you're not going to make it easy to chose my first purchase from you are you? I LOVE the netting to support either grape or wisteria vines. I love the shadows it casts on the ground on the woman on the right. Love the cats, the hens, the water flowing from the mill. argh....

Paulo J. Mendes said...

Naughty cruel me :)), but indeed very happy with this painting.
I've been in a place very similar to this one last Saturday, and fell in love with it. Had to paint while memory was still fresh. Tomorrow I will post a picture of the real place in my personal blog. It's a village so beautiful that could live there.

Villager said...

Quando estou debaixo de fortes pressões profissionais ou pessoais, faço um exercício mental onde me imagino num livro qualquer de contos campestres…Julio Dinis vêm-me á ideia…livro esse ilustrado por imagens como estas. É melhor do que qualquer anti-depressante.

Paulo J. Mendes said...

Compreendo perfeitamente esse sentimento, caro Villager, e cada vez mais sinto que a maior das libertações chega no dia em que nos podemos tornar personagens a sério num desses livros de contos.

Arménia Baptista said...

Parabéns, está um encanto. Não podia deixar de comentar, adoro moínhos...(tenho alguns - desenhados - mas ainda ñ me atrevi a "postar")
;))

Paulo J. Mendes said...

Então já somos dois a adorar moinhos, Arménia. Venham de lá esses que já desenhou :))